sexta-feira, 3 de junho de 2022

Recomeçar! Reinventar! Reconquistar!

Finalmente deixámos de sustentar o judas e passámos a ter apenas um treinador. Finalmente se começa a construir algum futuro. O receio é que esse futuro possa ser ainda longínquo e construído com pouca preparação, como tem sido habitual, pois muito lodo ficou espalhado por estes anos de tiros nos pés.
O mister Roger já cá está. Com uma tática preferida de 4-3-3 ou 4-2-3-1, é sobre esse esquema que o plantel deve ser montado, encontrando jogadores específicos para essas posições, e reforçando as que tinham lacunas evidentes.
Aparentemente Javi Garcia é a escolha demasiado estranha para ser seu Adjunto, sem experiência de banco, e com tão pouco tempo de casa, não é algo que traga grande confiança...
Por enquanto, apenas 2 reforços chegaram para a nova época de países de leste europeu.

O lateral esquerdo sérvio Ristic, com um perfil ao estilo de Grimaldo, não entusiasma ainda pois se o espanhol não tinha qualidade para ser titular na defesa do Benfica, o sérvio traz como cartão de visita indicadores de que não lhe tira o lugar de imediato, o que só por si é uma desvantagem. Mas merece todo o benefício da dúvida e era sem dúvida a posição onde era mais urgente ir buscar concorrência e qualidade para o lugar. Resta saber se vai fazer concorrência ao Grimaldo, ou se ainda chegará mais alguém com a possível saída do rei das birras. A acompanhar com atenção.
E o ponta-de-lança croata Petar Musa do Boavista. Uma espécie de Azar Karadas ou Alan Kardec. E com isto digo que, se esses 2 exemplos puderam dar seus contributos e ser campeões, então o jovem Musa também pode perfeitamente encontrar e lutar pelo seu lugar para nos ajudar a ser feliz. Para aquela posição lutará provavelmente com Roman e Araújo, dado que Seferovic poderá estar de saída (tremenda estupidez a recusa de propostas no ano passado em que estava em altas e depois desvalorizou bruscamente esta época), Ramos deverá ser opção para jogar como falso avançado, e Pinho se desconhece se terá lugar no plantel. Tem por isso tudo para poder arregaçar as mangas e mostrar golos.

Dentro de 1 mês se espera que haja luz sobre o esboço do plantel que ainda terá muita volta e corrente de ar para entradas e saídas.
E dia 24 começam os testes médicos para o programa de pré época dar o pontapé de saída que tem já datas para apontar, entre as quais o regresso da Eusébio Cup:

A pré-época do SL Benfica 2022/23

27 de junho: primeiro treino;
8 a 14 de julho: estágio em St. George’s Park;
15 de julho: SLB - OGC Nice;
17 de julho: SLB - Fulham FC;
22 de julho: SLB - Athletic Bilbao;
26 de julho: SLB - Newcastle UFC - Eusébio Cup.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2022

Porta pequena

Já não se fecham ciclos como antigamente. Os últimos grandes pesos pesados dos balneários e que muito deram ao Benfica ao longo de várias épocas têm saído sempre pela porta pequena. Culpa seguramente de ambas as partes.

Chegou a hora de Pizzi. Saiu por empréstimo para a Turquia, sem grande expetativa de voltar, a não ser que disso faça muita questão o futuro novo treinador, mas dificilmente assim será sabendo do ponto a que chegou a novela que ditou este afastamento.

Não é agradável ver como isto se resolve e não haver um desfecho mais saudável. Mas era inevitável ao ponto desconfortável a que isto chegou. Para mim, ainda tinha algo a dar em campo, mas não havia nada a fazer. É tempo de renovar metade do balneário e recomeçar a construir ligações que foram queimadas.
Quando chegou o jjudas disse-o logo. Estava na cara que íamos perder e ia ser estoirado aquele que tinha inegavelmente os melhores números e marcas dos últimos 3 ou 4 anos anteriores, pois tinha sido nas mãos do medíocre treinador que Pizzi tinha feito as épocas mais cinzentas e a esse nível mediano voltou.

Mas não esqueço que foi ele quem marcou o primeiro golo a que assistiu a minha filha mais velha na Luz. Foi graças a um golo do Pizzi que pela primeira vez comemorei com ela no colo em plena Luz. E por isso também ela ficou fã dele e tem pena que deixe de o poder ver no Benfica. São ciclos. Ciclos que fazem parte e que são precisos, podem é ser melhor geridos, houvesse gestores de pessoas no Benfica.

Ontem, em campo não esteve, estiveram os que estão e os que contam. Para o quê? Pouco ou nada. E disso se sentiu ontem. Jogar sem pressão, para um resultado desportivo que é praticamente irrelevante pelo que já quase não há a ganhar nem a perder, torna tudo mais fácil. Mesmo assim, muito erros defensivos (relembrar que é essa a principal imagem dos lagartos de Amorim, que sabem defender muitíssimo bem em todo o campo e com paciência chegam aos golos, sentindo a segurança que têm defensivamente e os liberta para poder construir) e a lamentar a incompreensível mentalidade após ficar a jogar em superioridade numérica, a partir da qual deixámos de procurar entrar na área contrária nem rematar, e acabámos até a sofrer o golinho da praxe.
Na frente, é demasiado estranho ver o corpo de Rafa perdido em campo, depois de termos andado meses a ver que a equipa era ele e mais 10...agora não sabe o que fazer entre espaços.
Mas finalmente se começaram a ver golos do Ramos que parece estar finalmente a agarrar a oportunidade, desta vez aproveitando que Everton está a começar a crescer de forma e tem sido preponderante nos golos estes jogos, e que ainda cá temos Darwin que fez um golão.

Tempo de mais novos começarem a construir o futuro...e que quando chegar o tempo deles, sejam inteligentes de ambas as partes para poder saber quando o ciclo se fecha e possam sair pela porta da frente.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2022

Aconteceu a única coisa que não podia acontecer

É difícil de encarar derrotas.

É difícil de encarar má gestão.

É difícil de encarar falta de empenho.

É difícil de encarar intencionalidade de prejudicar internamente o Clube.

É difícil de encarar erros e fatores externos que manipulam a verdade desportiva.

É muito difícil de encarar tudo isto misturado e em conjunto a estoirar e a nos enterrar bem fundo.

Mas aconteceu a única coisa que não podia acontecer. Aconteceu a única coisa que a Direção e quem é pago com o dinheiro do Benfica não podia permitir que acontecesse.

Aconteceu.

Assumir que é embaraçoso, é desconfortável, é deprimente, é desolador, é desgastante, é torturante, é mau demais ir ao estádio. Reconhecer que o ambiente de cortar à faca é arrepiante e já nem dá vontade de levantar da cadeira sequer para festejar golos. Constatar que há um total afastamento, descomprometimento e desconhecimento do que é o ambiente de boa disposição e convivência na Luz. Sentir misto de medo e vergonha em levar os filhos pequenos à bola, pois o futebol na Luz já não é uma festa (e com festa não estou a dizer apenas golos e vitórias). Ver colegas de bancada de 15 anos a dizer que não sabem se conseguem mais voltar ao estádio nos próximos jogos. Sentir que essa é a realidade e que receava que acontecesse. Que essa pica, que essa chama que restava e que é o que mantém a Mística acesa...foi a última gota de água que os fdp judas e afins que nos minaram por dentro tanto desejavam que acontecesse...finalmente aconteceu. E dói tanto.

E nem vale a pena virem dizer que o Benfica é maior que tudo isto, que eles passam e nós ficamos, que não podemos virar costas, que temos de estar nos bons e maus momentos...esqueçam! Não é disso que se trata.

Imaginem o vosso filho a ir fazer uma apresentação pública do seu trabalho, e quando chegam lá, o chefe dele destrata-o e humilha-o, os colegas dele gozam com ele e prejudicam-no, o público insulta-o e vaia-o, os avaliadores e imprensa destrói o nome dele e a história da família dele...e olham para o vosso filho...e nem o reconhecem...as roupas parecem aquelas...têm vergonha de o dizer, mas quase que juram que é alguém que trocou de identidade e está ali no lugar dele. Para a semana iriam voltar e continuar ter aquela saudade imensa e pica toda que nos fazia contar os dias para o jogo seguinte rumar à Luz num intenso cheiro de Benfica no ar?...

Custa dizer, mas sabem que isso não é assim.

Lá estaremos, pelo menos parte de nós. Uns, apenas a parte física, pois a mental e a alma não estarão lá seguramente. Outros, muito provavelmente, nem a parte física conseguirão arrastar até ao Estádio.

Obrigado aos sócios que tão bem souberam escolher por 2 vezes seguidas os destinos negros daquele que era e deveria continuar a ser...o Maior de Portugal.

#acordabenfica "ondeestásbenfica?! #tazondebenfica 

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2022

Não estou preocupado

Não estou preocupado. É para isso que servem estes jogos de pré época.

Não estou preocupado. Ainda temos 11 pontos de vantagem para o segundo lugar (estes galos).


Escolham.


#Vietname #cheiraacocó

terça-feira, 1 de fevereiro de 2022

Fado. Isto é Fado.

O Benfica procedeu à inscrição na Liga do avançado colombiano Yony González, de 27 anos.


Contratado em janeiro de 2020 ao Fluminense, Yoni é extremo e tem contrato com o clube encarnado até 2024, mas nunca jogou oficialmente pelas águias.

Esteve primeiro emprestado ao Corinthians (Brasil), onde fez 4 jogos sem registo de golos, depois ao Los Angeles Galaxy (Estados Unidos) onde também não marcou em 9 jogos e, por fim, ao Ceará (Brasil), onde fez 31 jogos e marcou dois golos.

Além de Yony González, recorde-se, o Benfica inscreveu também neste último dia do mercado o defesa brasileiro de 18 anos Tiago Coser, proveniente da Chapecoense.

Saiu Ferro, Camará e Ganchas.

De resto, ventania.

Tudo isto é triste, tudo isto é Fado.

Mas o que importa é que estão a preparar fortíssima próxima época e isso ninguém vai parar. Nunca mais é Verão...

segunda-feira, 31 de janeiro de 2022

Bruno Vieira Amaral in Expresso

Hoje, o Bruno Vieira Amaral escreve no Expresso mais uma carta aberta ao tratado de incompetência da atual estrutura do Benfica:

"O Benfica mudou de presidente, mudou de treinador e a equipa cada vez se afunda mais, como um náufrago a esbracejar em desespero e sem uma boa ideia de como sair daquela situação. A eleição de Rui Costa, apesar do CV do atual presidente, os seus longos anos de ligação a Luís Filipe Vieira, deu a impressão de um novo tempo. Não era uma limpeza de fundo, daquelas em se deitam fora todos os trastes velhos e se compram mobílias novas, mas uma discreta reorganização, um trabalho subtil de decoração de interiores.
Assim que os resultados desportivos pioraram, esgotou-se o efeito da novidade e teve de se avançar para mais uma remodelação. O alvo era óbvio: o treinador. Mas a saída de Jorge Jesus, nas circunstâncias em que ocorreu, aparentemente empurrado borda fora pelos jogadores amotinados, exigia uma rápida reposição da autoridade, que o presidente já tivesse na manga outra solução sólida, que não ficasse à mercê dos caprichos do balneário.
Em vez disso, agarrou-se a Veríssimo, um bote salva-vidas cheio de buracos, a escolha mais parecida com uma não-escolha que Rui Costa poderia ter feito, o treinador que tinha ali mais à mão, justificando-se com o exemplo de Bruno Lage, que também saltou da equipa B para conquistar o campeonato, esquecendo-se do triste final de Lage à frente do Benfica.
Os resultados da não-escolha estão aí: ao fim de meia-dúzia de jogos a equipa está mais partida e perdida do que nunca, Veríssimo é um cadáver adiado e o próprio clube parece ter sido vítima de uma daquelas toxinas potentes que paralisam os músculos. A pessoa permanece desperta e consciente, mas o corpo não reage às ordens do cérebro. Vê tudo em câmara lenta, de forma agonizante, a tragédia a desenrolar-se sem que a consiga travar: “Lá vem o Sporting a alta velocidade, vem na minha direção, vai atropelar-me se eu não sair da frente, mas eu não me consigo desviar e aquele verde é tão bonito e… crás!”
Imagino Rui Costa afundado na cadeira de couro do seu gabinete, atormentado pelas hesitações, preso a um torpor invencível: “Eu devia mesmo arranjar um treinador porque o Veríssimo não é treinador para a equipa principal, mas para o tirar daqui tinha de fazer um esforço enorme e tinha de ir à procura de outro treinador e faltam-me as forças e talvez isto com ele dê para aguentar até ao fim da época e talvez haja um milagre, talvez dê para salvar a época com a Liga dos Campeões…” Enquanto se emaranha nesta rede de talvez e dúvidas, a equipa continua a resvalar para o abismo.
Pior do que os resultados, que têm sido maus, são as exibições, que têm sido péssimas. E pior do que as exibições, que têm sido péssimas, é esta sensação coletiva de pântano, que é horrenda e atinge toda a estrutura e se propaga para os adeptos. As chicotadas psicológicas costumam espicaçar os jogadores, mas esta foi como a estocada final que lhes retirou as últimas forças que lhes restavam e que tinham usado, em larga medida, para um derradeiro ato de insubordinação.
Os adeptos já têm saudades daqueles maravilhosos tempos em que parecia que eram os jogadores que não queriam. Agora está à vista de todos que não podem e não sabem e também não têm ninguém que os ensine e os lidere. É a fase pantanosa. Está tudo podre, insalubre. Os poucos sinais de vida são uma espécie de arrotos, de gases expelidos pelos cadáveres em putrefação. O Benfica pratica um futebol moribundo, enfermiço. Os jogadores arrastam-se em campo como pacientes a percorrer os corredores de um hospital ainda com ligaduras na cabeça, meio aturdidos. O treinador não manda, a direção é uma miragem, o presidente é um fantasma de si mesmo. Não há alegria, nem disciplina, nem vontade. Não há esperança, nem ideias, nem objetivos. Aliás, se há um objetivo, é o de se chegar ao dia seguinte. Para fazer o quê? Isso é que ninguém sabe."

Desinteressante como nunca

Nunca como hoje, o dia de fecho de mercado de inverno foi tão desinteressante.

Ao contrário do que deveria ter sido o primeiro dia de mercado de inverno, que num Clube profissional estaria trabalhado e preparado desde início de Dezembro...e onde deveríamos ter equilibrado o plantel para evitar o total apagão desta época...

Hoje, não temos nada por onde nos agarrar. Tudo o vento levou, soprado de dentro para fora.

E desse modo, a única dúvida é porque é que esse vento não sopra já também uma dúzia daqui para fora.

Só uma Direção e Técnico medíocre não vendeu Seferovic no auge da carreira por 15 Milhões de euros e ainda foi gastar mais 20M noutro ponta de lança. Só gente que não percebe um boi de bola foi gastar milhões em Meités e Gil Dias e empréstimos de Lázaros. Só gente que não se sabe mexer no mercado não conseguiu despachar para as Arábias o Adel. Só quem não tem noção na cara é que impede saídas de Ferro e Gedson para depois nem jogarem nem valorizarem.

Não conseguiram vender ninguém sem prejuízo financeiro. Apenas tentam que não seja muito grande o prejuízo...financeiro...pois desportivo mais ruinoso não poderia ser.

Com todos os acima por despachar, mais o Pizzi que agora já deixou sequer de contar após a novela de balneário, claramente com muita coisa que ficou por sanar lá dentro e que afetou o grupo, e se é para não jogar, mais vale então encontrar outro destino.

Mesmo assim, pouco ou nada se espera que se resolva a não ser o empréstimo de Ferro para a Croácia confirmado e a possível saída de Gedson que entretanto deixou cair o maior interessado e voltámos a perder dinheiro com este enrolanço. As atenções parecem voltadas para Darwin, o único com interessados no plantel, e que já começa a parecer um dejá vú as notícias de que recusamos 50Milhões e daqui a 6 meses estamos a vender por 30M.

Entradas? Não interessa ninguém vir ninguém, agora já é tarde, têm mais do que o suficiente para cumprir calendário na equipa B e mesmo assim lutar pelo 2º lugar. 

Se me falam em Champions, atiro-me ao chão! É precisamente por causa da merda do foco na Champions que isto deu em cagada, só saberem olhar para o lucro financeiro da Champions e não os títulos desportivos que precisamos para sair da merda. Aprendam com os erros. E se não aprendem com os próprios erros, aprendam com as lições de quem saiu da lama onde estava há décadas e agora vos canta que são a p*** deles, aliás, de todos eles!

É cortar tudo o que se puder e contratar equipa técnica para definir plantel e contratações a sério para no dia 1 Junho estar toda a gente concentrada a trabalhar na nova época.

PS - Isto é tão mau, que já nem me lembrava do grande reforço que era comparado ao Jonas...

#nemnovietname